nf-e na venda de carros

Emitindo uma NF-e na venda de carros

Saiba mais obre o que é CFOP e aprenda a emitir uma NF-e na venda de carros.

A nota fiscal é um importante documento que registra a transferência de uma propriedade ou a prestação de um serviço por uma empresa a uma pessoa física ou a outra pessoa jurídica. Sua versão mais moderna, a nota fiscal eletrônica (NF-e) tem conquistado espaço em diversos setores, principalmente por conta de sua facilidade de preenchimento e das vantagens em se arquivar digitalmente o documento. E isso pode ser bastante interessante para as lojas de veículos. Que tal entender mais sobre o que é CFOP na NF-e e aprender a emitir a nota fiscal adequadamente?

O que fazer primeiro para emitir a NF-e

A nota fiscal de emissão eletrônica é um meio prático e rápido, de alta eficácia tanto para o governo quanto para o consumidor. Ela é obrigatória somente para determinadas empresas (como as contribuintes do ICMS e do IPI). Primeiro, é preciso ter um certificado digital (obtido através de uma Autoridade Certificadora) e, depois, credenciar-se na Secretaria da Fazenda. Para a emissão de NF-e é preciso ter um software especializado.

Os softwares que emitem NF-e

Alguns sistemas de emissão de NF-e são disponibilizados no próprio website da Secretaria da Fazenda. Porém, esses sistemas, apesar de gratuitos, são limitados e não são recomendáveis a empresas que geram NF-e em grande quantidade, como as que vendem veículos. Mas existem boas opções no mercado, de baixo custo e que garantem a qualidade neste serviço.

Atenção! Leia aqui nosso post com mais informações sobre o emissor gratuito de NF-e da SEFAZ.

Entendendo o que é CFOP

É importante saber que a nota fiscal contém alguns dados. Um deles é o CFOP (Código Fiscal de Operação ou Prestação). Este código só é aplicado em notas fiscais que retêm o ICMS do destinatário. Quando ele for utilizado, o campo na NF-e destinado à base de cálculo do ICMS deverá ser obrigatoriamente preenchido, bem como o campo do ICMS da operação específica (salvo casos especiais, como indenizações ou imunidades). A NF-e com CFOP também não poderá ter em seu “Campo de Informações Complementares” qualquer declaração de que o ICMS já foi retido em operações anteriores.

Como escolher o CFOP

Para indicar devidamente o CFOP na NF-e é necessário conhecer as suas utilidades. Há vários tipos de CFOP, e cada um deles é composto, geralmente, por quatro dígitos: o primeiro dígito (prefixo) dita a natureza da operação (entrada ou saída de mercadorias), e o sufixo determina o código de situação tributária (relação com o ICMS).

Confira os prefixos de CFOP e suas aplicações

  • 1 (entrada de mercadoria ou aquisição de serviços de dentro do estado);
  • 2 (entrada de mercadoria ou aquisição de serviços de fora do estado);
  • 3 (entrada de mercadoria ou aquisição de serviços do exterior);
  • 5 (saída de mercadoria ou prestação de serviços para dentro do estado);
  • 6 (saída de mercadoria ou prestação de serviços para fora do estado);
  • 7 (saída ou prestações de serviços para o exterior)

A par desta classificação, é possível indicar de forma correta o código na NF-e.

O uso incorreto de códigos

Há dois tipos de códigos que são, em geral, usados de forma incorreta na NF-e. Deve-se ficar atento para que erros de lançamento não sejam cometidos na NF-e:

  • CFOP 6403 (cuja aplicação se dá nas vendas de mercadorias adquiridas ou recebidas de terceiros, na condição de “contribuinte substituto”, em operação com mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária);
  • CFOP 6404 (cuja aplicação se dá nas vendas de mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária, na condição de “substituto tributário”, exclusivamente nas hipóteses em que o imposto já tenha sido retido anteriormente).

Exemplos de CFOP na NF-e

Para facilitar o entendimento, observe um exemplo de CFOP especificado em uma nota fiscal. No caso, por se tratar de venda para dentro do Estado, o prefixo é o 5:

  • Venda para dentro do Estado
  • Natureza da Operação: Venda de Mercadoria adquirida ou recebida de terceiros
  • C.F.O.P: 5101 (indústria)
  • 5102 (comércio)
  • Base de cálculo: Valor do Produto (se não houver benefício de redução/diferimento)
  • ICMS Normal: Base de Cálculo X Alíquota vigente no Estado

À primeira vista, pode parecer complicado, mas com a prática isso se torna um procedimento relativamente simples. Em todo caso, é bom contar com ajuda de softwares automatizados de boa qualidade, que poderão agilizar o processo de NF-e com o devido CFOP especificado. Ainda mais se for um sistema que já ofereça o valor dos impostos nas notas fiscais emitidas, conforme requer a legislação brasileira atual.

Agora que você já sabe como emitir uma NF-e na venda de carros, que tal começar a usar um sistema de gestão na sua loja de veículos para te auxiliar na hora de emitir NF-e e sinalizar o CFOP? O que achou do artigo de hoje? Deixe seu comentário!