Contrato de consignação de veículos: como e por que fazer?A principal preocupação daqueles que decidem vender seu carro é conseguir o melhor preço e a grande questão na resolução desse problema é que o momento de venda exige certa prática que o consumidor final, em geral, não tem. Você já ouviu falar sobre contrato de consignação de veículos?

Sabendo responder bem às dúvidas desse consumidor inexperiente, é possível fechar bons negócios. Entre as maneiras de trabalho mais comuns em lojas de carro está a consignação, que é uma opção amplamente utilizada para que se consiga vender um usado.

É importante ter uma boa imagem

Manter uma boa imagem significa não ter pendências na justiça com o nome da loja, garantir que o cadastro junto à receita esteja regularizado e dar suporte a eventuais problemas do estabelecimento discutidos em sites de reclamação, por exemplo.

Até pela internet essas informações são verificáveis e podem fazer com que a opção pela loja seja desconsiderada de imediato. Na verdade, é importante para que as duas partes não tenham problemas futuros.

Em negócios com divulgação online também é importante pesquisar as condições dos concorrentes, bem como as taxas praticadas para conseguir atrair as pessoas que estão pesquisando pela internet.

A estrutura de um contrato de consignação de veículos

Conseguindo atrair o consumidor para a concessionária, o próximo passo é pensar no contrato de consignação de veículo, documento que garante uma boa operação.

Assim, é importante que ele seja feito por escrito e que, neste documento, existam cláusulas com as obrigações do consignante (dono do carro) e do consignatário (concessionária revendedora).

Obrigações do consignante

A exigência legal do consignante é a descrição dos dados do veículo (marca, placa, chassis, ano, cor), eventuais equipamentos instalados no carro, o estado em que o veículo se encontra e a quilometragem rodada.

Obrigações do consignatário

Entre as obrigações do consignatário está o cuidado com o veículo entregue. O responsável descrito no contrato é chamado “fiel depositário” e é quem responde por eventuais avarias ao veículo.

Outra obrigação comum do consignatário é o repasse do pagamento da venda do veículo e, caso esta não seja feita, a devolução do automóvel sem qualquer ônus, a não ser que haja um acordo diferente.

A combinar entre os dois

Neste tópico, é importante saber que o contrato deve ter prazo para que a venda ocorra e que o vendedor consignante pode estipular um preço mínimo e máximo e, o consignatário, o percentual de comissão da loja de carros.

Outros documentos

Para conseguir circular com o veículo é importante ter em mãos o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRV).

Em geral, há confusão entre esse documento e o Certificado de Registro de Veículo que, por sua vez, permite sua venda e é entregue preenchido quando se acha um comprador.

Cuidados adicionais no momento da negociação

Alguns contratos possuem uma cláusula interessante que obriga o consignante a assumir a responsabilidade pelas multas antes da data da venda, o que evita disputas com o próximo proprietário do carro.

Além das multas, é importante levantar as informações importantes da situação do veículo, como IPVA atrasado ou outras regularizações pendentes.

Já é bastante difundida a necessidade de ter ao menos duas testemunhas no contrato, mas, como é melhor prevenir que remediar, vale reforçar essa ideia que significa que seu contrato pode ser executado em juízo.

Por último, é importante frisar que o principal cuidado está no contrato de consignação de veículos. Isso significa que se você não tem certeza de como ele deve ser, procure ajuda de um profissional.

Existem diversas possibilidades no mercado, desde advogados até sistemas de gestão que geram os contratos.

Esses sistemas, em especial, podem ser uma tremenda vantagem por conta da economia de tempo e dinheiro que geram em relação aos advogados, porque estruturam os contratos e ainda ajudam no gerenciamento dos prazos de cada um deles com um custo menor que o dos honorários profissionais.

Mas qual a vantagem em consignar um veículo?

As vantagens para a concessionária são várias, mas uma delas é o alívio de saber que se não vender, não terá contraído dívidas. Assim, os carros são devolvidos e outros negócios, eventualmente, são feitos, mas sem dívidas.

Outra vantagem que se estende para ambas as partes é vista em um bom contrato de consignação: asseguramento de uma transação rápida, que evita discussões com o futuro comprador e atualiza as eventuais pendências do veículo.

Além disso, o consumidor tem a vantagem de que o seu carro fica ainda mais atrativo para possíveis vendedores porque, de acordo com as exigências legais, é obrigatório oferecer seguro do carro por até 3 meses, o que aumenta a confiança dos interessados.

Apesar das vantagens, o consumidor não tem interesse?

Sorria, conte uma história e não discuta! Pergunte ao seu cliente o que o incomoda. Dê algum espaço e tente atender às necessidades dele. Sabendo como contornar as objeções, conseguirá convencer o seu cliente.

Isso exigirá certo “jogo de cintura” e conhecimento técnico a respeito das outras oportunidades que o cliente tem fora da mesa — ou seja, é importante conhecer a concorrência para conseguir mostrar comparações ao seu cliente, caso ele esteja disposto a negociar.

A esse ponto vale dizer que descrevemos a estrutura básica do contrato e existem diversos modelos que podem ser criados, inclusive mais específicos para atender às exigências resultantes da negociação com cliente.

Por fim, a complexidade em se pensar em todas as possibilidades para escrever um contrato é mesmo alta. Apesar disso, esperamos ter ajudado a resolver suas principais dúvidas a respeito do assunto.

Ainda que não seja possível dizer que você já pode sair por aí escrevendo contratos de consignação de veículos, pode entender no que eles implicam. Por isso, nossa recomendação, mais uma vez, é a procura por auxílio profissional.

Com um bom sistema para a gestão dos seus contratos, provavelmente você terá interesse em saber mais sobre como funciona a nota fiscal de entrada de veículos consignados. Explicamos tudo por aqui e, assim, você já saberá o que precisa para que seu negócio vá de vento em popa.

Gostou das nossas dicas? Ficou com mais alguma dúvida? Comente sobre sua experiência!